domingo, 16 de agosto de 2009

Não pensei um dia citar Elis como hoje

Consideramos o tempo como algo que passa, associamos ao vento, algo que a pele sente mas não interfere no caminhar. Mas o que passa, na verdade, somos nós,o tempo fica, cada momento é eterno, nós é que não somos. E esse tempo que todos os dias nos da licença para que passemos, faz aos poucos percebemos que ele ficou pra trás e a cada piscar de olhos é um novo que entra.
E entre uma cerveja e outra, com um amigo que passou por todos esses com você, encontram um tempo que esqueceram que passou junto a vocês, não que você não gostasse dela, mas se esqueceu que ele cedeu passagem à ela também, por mais que não veja aquele mesmo rostinho de criança, ele ainda dorme alí dentro, mesmo que elae steja tomando cerveja, o que antes voce não via, ela ainda te como o amigo da 2ª série que tinha conversas bestas, gostava das meninas mais velhas, mas eram ótimos amigos.
Pegam-se os três de conversa fiada na porta de um bar qualquer na rua por aí, e é aí que você vê que realmente o tempo não passa, ele simplesmente fica, mas fica de uma forma tão bruta, que você não pode ver, quando se da conta, vocês já conversam de lembranças, de um passado distante, COMO NOSSOS PAIS.