segunda-feira, 18 de maio de 2009

Não quero cotas para a dignidade.

Criar cota para negros em empresas, comerciais de televisão e em vários outros lugares, isso faz do Brasil, e da excelente pessoa que apresentou esse projeto, justos. Colocam o AFRODESCENDENTE na digna posição de igualdade. Agora sim o negro é igual aos outros, agora que ele entra em uma empresa sem passar pelo processo comum de seleção, com um tratamento DIFERENCIADO. E espero mesmo que aprovem este projeto de cotas, é JUSTIÇA.
Isso! Somos justos, por isso virá logo em seguida um projeto de cota para todas as nossas crianças não alfabetizadas, e nem negros, nem brancos, nem pardos, mulatos, caboclos, mamelucos, descansarão enquanto uma só letra restar fora dos entrelaces da língua com o dente de leite. Faremos o mesmo com vítimas de desastres naturais, naturais como a fome, como morar à beira do esgoto, como não conseguir morar dentro do próprio corpo, na naturalidade de passar por cima do viaduto e não olhar pra baixo por medo de altura, mas eles te olham lá de baixo sem medo de receber qualquer ajuda, qualquer cota, uma bolsa em qualquer instituição que devolva a dignidade, a condição humana de vida.
E assim a ordem e o progresso saem da quadrilha que rouba, em maletas e cuecas, esperanças feitas de dentes de leite e olhares sem brilho.


(As leis de COTAS citadas acima, já aprovadas pelo presidente, entram em vigor no DIA 36).